A influência das Campanhas de SST

 

Você já prestou atenção nas campanhas que circulam na TV e na Internet com o objetivo de alertar sobre os riscos de acidente do trabalho?

Já, professor! Em geral são excelentes. Tem algum problema?

Em relação à qualidade dos vídeos, não tenho do que reclamar, mas algo com que não concordo é que quase sempre (na verdade, não lembro de ter visto nenhum destes vídeos com outro foco) passa-se a mensagem que o trabalhador, por um deslize, é o responsável pelo acidente. Lembro que em uma dessas, o trabalhador aponta uma ferramenta para o próprio rosto, o que pode até acontecer, mas temos outros motivos, tão ou mais importantes do que o erro do trabalhador.

Qualquer acidente sempre terá diversas razões, ou seja, é multifatorial. E nestas campanhas esquecem que muitos riscos são gerados pela empresa como consequência de uma gestão focada na produção e não na Segurança do Trabalhador.

 

Ok, professor. Mas pelo menos alertam sobre o acidente.

Na verdade, a minha maior preocupação é em função deste tipo de propaganda divulgar a ideia ultrapassada de que o ato do trabalhador é a causa dos acidentes e caso ele preste atenção tudo estará resolvido, sem alertar para todas as outras causas possíveis. Como consequência temos a visão do acidente como fatalidade, como sendo responsabilidade exclusiva do trabalhador, isto acaba influenciando em algumas análises de acidentes que minimizam tudo ao lapso do acidentado e apresentam “soluções” com ações simplórias, como colocar uma placa e dar um treinamento para o trabalhador nunca mais errar.

Precisamos eliminar este modo de pensar e passar a analisar os acidentes de forma mais sistêmica e profissional e as atuais campanhas poderiam contribuir muito mais com este objetivo.

Autor: Mário Sobral Júnior – Engenheiro de Segurança do Trabalho

 

 

Please reload