TROCANDO CALOR NO TRABALHO

Professor, ouvi um podcast seu e não entendi bem a questão das trocas de calor no ambiente de trabalho, o senhor pode explicar de novo?

Lógico, meu filho. Vou resumir o assunto, mas o essencial é o seguinte: a troca de calor em relação ao trabalhador pode ser realizada de quatro formas.

Primeiro temos a condução, que é quando temos contato direto com algo que esteja quente ou frio. Por exemplo, caso ocorra contato com uma máquina aquecida iremos receber calor, no caso de uma máquina fria iremos ceder calor.

A outra forma de troca de calor é a irradiação que ocorre quando há a transferência do calor por meio de ondas eletromagnéticas, denominadas ondas caloríficas, não precisando de um meio físico. É desta forma que o calor do sol chega na Terra.

Percebemos esta situação quando estamos próximo de uma fonte de calor e mesmo sem o contato direto sentimos o calor que emana do objeto.

A terceira forma é a convecção que ocorre pela movimentação do ar sobre a superfície da pele. Acontece da seguinte forma: se você está com o corpo aquecido, o ar próximo à superfície da pele também será aquecido, mas se há a troca de ar devido à ventilação de um ar mais fresco, o corpo vai perdendo calor. O corpo então irá aquecer novamente o ar na superfície da pele, mas se a ventilação permanecer, o corpo continuará perdendo calor até estabilizar com o ambiente.

Epa professor, tem algo errado. Já li que ventilador nem sempre é uma boa solução.

Corretíssimo meu filho. Para ser uma boa solução o vento precisa estar em uma velocidade que consiga remover este ar aquecido e logicamente, precisa estar em uma temperatura inferior à do ar em volta do corpo, pois se estiver mais quente, ao invés de esfriar, vai aquecer a superfície da pele. Perceba que não deixa de ser um tipo de condução, pois o contato da pele com o ar mais quente ou mais frio irá receber ou ceder calor.

Além disso, precisamos considerar a influência da roupa do trabalhador que irá dificultar esta convecção. Atualmente a norma brasileira não leva em consideração este isolamento, mas podemos encontrar este fator em normas internacionais.

Por fim temos a evaporação que ocorre devido a nossa transpiração, pois se o ambiente está quente a tendência é começarmos a suar. Quando suamos a pele aquecida aquece o suor e este evapora, mas neste aquecimento o corpo acaba perdendo calor.

No entanto, quanto mais alta a umidade do ar, mais difícil será esta evaporação, pois como vamos passar esta umidade para um ar que já está úmido, o contrário também é verdade, quanto menos úmido estiver o ambiente, mais fácil será a perda de calor por transpiração.

Agora pra quem mora em cidades quentes e úmidas como eu moro (Manaus), fica mais fácil de entender a dificuldade de solucionar o problema de calor para o trabalhador.

Inscreva-se para receber materiais. Clique aqui: