IGNORÂNCIA GERA CONFIANÇA

25.03.2019

Vou iniciar este texto com uma célebre frase de Charles Darwin: “a ignorância gera mais frequentemente confiança do que o conhecimento”.

Pode parecer estranho, mas se pensarmos um pouquinho é a pura verdade. Por exemplo, se você tem uma noção geral sobre ergonomia, talvez não tenha tantas dúvidas, mas caso você tenha um conhecimento um pouco mais

aprofundado, é bem capaz de gerar dezenas de dúvidas.

Sim, professor. E daí?

E daí que devemos tomar cuidado. Em todas as áreas, e não poderia ser diferente na Segurança do Trabalho, algumas pessoas acreditam que já sabem o suficiente, que estão no topo do conhecimento.

 Na verdade, isto não é possível, quanto mais subimos mais longe o topo fica.

Porém, quando estamos com a certeza do conhecimento tendemos a nos acomodar porque é muito melhor o conforto da certeza do que a angústia da dúvida. E caso venha à tona um erro ou um mau desempenho em algum conhecimento no qual considerávamos ser especialistas, temos a tendência de minimizar ou mesmo distorcer a situação, como consequência podemos permanecer cegos para algumas das nossas deficiências.

Esta tendência cognitiva tem nome e é bem comum, chama-se Efeito Dunning-Kruger.

Mas, professor, realmente é complicado de detectar, porque se eu acho que sei bem sobre um determinado assunto, naturalmente vou ficar na defensiva quando recebo uma informação contrária à minha verdade.

Exatamente, meu filho. Quando comecei a trabalhar tinha muitas certezas e acabei transmitindo diversas informações incompletas ou mesmo erradas, hoje devo continuar a fazer isto, porém tenho consciência disso e tento avaliar sempre uma segunda opinião, mesmo que a princípio não concorde.

Este modo de pensar faz com que você mantenha-se mais atento em relação às suas ações e também passe a lembrar que seus ídolos profissionais também são falíveis, e que podemos, ou melhor, devemos ter dúvidas em relação às suas informações, não com o intuito de mostrar o erro, mas de manter em mente a possibilidade da dúvida para tentar evoluir.

Autor: Mário Sobral Júnior – Engenheiro de Segurança do Trabalho

 

Please reload