Tem certeza que você quer a minha opinião?

Professor, queria uma opinião sua de como agir em determinada situação na minha empresa. Meu filho, posso dar minha opinião, mas tome cuidado! Como assim, o senhor vai me passar informação errada? Lógico que não, mas eu vou passar o meu olhar, de acordo com a minha vivência e talvez se aplicada a sua situação atual não tenha o mesmo resultado. Mas assim fica difícil, sempre leio, vejo vídeos ou áudios seus e de outros produtores de conteúdo para ajudar nas minhas decisões.

E não há nenhum problema em relação a isso, mas o que você deve ter cuidado é não esperar que estes materiais tenham necessariamente a solução pronta para o seu problema, talvez até ajudem, mas sempre dependerá da sua análise crítica e, provavelmente, ajustes para a implantação. Lembre-se que a minha experiência é apenas um pequeno recorte das diversas situações a que você pode vir a ter de enfrentar. Mas às vezes não sei nem por onde começar, professor! Acontece com todos, talvez a diferença é que os mais experientes têm um maior repertório e conseguem pensar em mais alternativas, mas não significa que não errem ou que não precisem da ajuda dos outros. Não sei qual o seu problema, mas recomendo que colete o máximo de informações, pense nos prós e contras, veja quais habilidades serão necessárias para resolvê-lo e apesar de todo o planejamento não fique paralisado, estabeleça um prazo e execute. E qual era o problema mesmo, meu filho? Nada não, professor. Esta conversa já ajudou. Acho que preciso primeiro analisar minhas opções. Autor: Mário Sobral Júnior – Engenheiro de Segurança do Trabalho.