Papai Noel não entende nada de Segurança do Trabalho

Acordei um pouco mais cedo e com todo mundo dormindo fiquei enrolando para levantar e comecei a imaginar que o Papai Noel, apesar de todas as lições de bondade, tem muito a aprender sobre Segurança do Trabalho.

Professor, era melhor o senhor ficar dormindo mesmo!

Ok, tentei, mas não consegui. E fiquei imaginando sobre o mau exemplo do “bom velhinho”. Pense bem, um senhor de idade avançada que pula do trenó para o telhado de milhares de casas, provavelmente sem o treinamento obrigatório de Trabalho em Altura e provavelmente sem um treinamento de espaço confinado, desce por chaminés. Sabe-se lá como faz a ancoragem para fazer esta descida, no mínimo não tem ART. Além disso, usa um gorro ao invés do capacete.

Não acredito que faça abertura de Permissão de Trabalho ou mesmo que tenha um procedimento para realizar estas atividades arriscadas.

No trenó, não usa cinto de segurança, correndo o risco de uma queda das alturas após uma freada das renas devido à passagem de um avião ou do desequilíbrio no desviar dos arranha-céus.

E tem mais, como é que passa a noite toda carregando um saco com brinquedos totalmente antiergonômico com a possibilidade de gerar até uma hérnia de disco?

Ahhh, professor!!! Mas ele é mágico, nada vai acontecer com ele.

E o exemplo, meu filho? Você quando passa alguns segundos em um ambiente com muito ruído não usa o protetor auricular mesmo sabendo que não vai ficar surdo, só para não dar mau exemplo?

Uso mesmo, professor!!!

Pois bem, além de dar o exemplo, independente de mágica ele tem que seguir as regras e trabalhar com redundância, pois vá que na última casa a mágica dê uma falhadinha.

E a barba, meu filho!

O que tem a barba, professor?

Com uma barba daquele tamanho pode acabar engatando em algum lugar e imagine as consequências deste tipo de acidente.

Além disso tudo, será que os duendes trabalham com carteira assinada? Provavelmente alguns têm síndrome de Burnout, pois imagine a pressão para produzir milhões de presentes e ter uma data de entrega que não pode ser adiada. É bem provável que vivam fazendo hora extra sem seguir os critérios legais.

Espero que pelo menos, dentre os duendes tenham alguns cipeiros e brigadistas, além de um SESMT completo, com Técnicos, Médicos, Engenheiros e demais profissionais.

Professor, o senhor está muito crítico com o velhinho! E a esperança que ele traz para as crianças que escrevem cartinhas esperando um brinquedo por terem sido boazinhas durante o ano?

Foi bom você falar sobre isso, já ia me esquecendo das cartas. Com toda uma tecnologia de internet e com possibilidade de envio de mensagens por e-mail ou por redes sociais, o velhinho dá preferência para envio por papel. Considerando que temos mais de 2 bilhões de crianças no mundo, isto significa que se todas as crianças mandarem carta para o Papai Noel teremos que derrubar mais de duzentas mil árvores para produzir o papel necessário, ou seja, um impacto ambiental absurdo.

Por fim, estimula uma sociedade de compra ao invés de sentimentos como amor e fraternidade.

Poxa, professor. Manera aí!

Ok, meu filho, apesar de tudo, Feliz Natal. Mas sempre é bom lembrar que quando vivemos a Segurança do Trabalho tudo pode ser visto por olhos mais seguros. Ho Ho Ho.

Autor: Mário Sobral Júnior – Engenheiro de Segurança do Trabalho