CLÁSSICOS DA LITERATURA NA SEGURANÇA DO TRABALHO


Em 1984, fui contratado como TST de uma grande empresa, e apesar da alegria a sensação foi similar à de O ÚLTIMO DIA DE UM CONDENADO, pois tinha pouca experiência e sabia que provavelmente os próximos dias seriam de GUERRA E PAZ.

Iria trabalhar com um Engenheiro de Segurança que tinha por objetivo A METAMORFOSE de uma empresa com frequentes acidentes fatais, cheia de VIDAS SECAS de Segurança do Trabalho, em um local onde o amor à prevenção seria buscado de forma irrestrita, como na relação de ROMEU E JULIETA.

No início éramos vistos como OS MISERÁVEIS, nada dava certo para o nosso lado, mas ele sempre falava que O SOL É PARA TODOS e que iríamos conseguir mudar a cultura da empresa. A situação estava tão difícil que os poucos meses pareceram CEM ANOS DE SOLIDÃO, até que em um dia começou a mudança, primeiro AS INTERMITÊNCIAS DA MORTE, depois a redução dos afastamentos e finalmente a mudança de comportamento.

Hoje, mais experiente, consigo organizar a empresa em um tempo mais curto e sem sufoco, tenho até tempo para tranquilamente fazer uma pausa e comer um MISTO-QUENTE.

Prof. Mário Sobral Jr