A MÁ INFLUÊNCIA DOS INFLUENCIADORES

Um dia desses recebi um email com agradecimentos sobre os materiais que eu produzo e no meio do texto o colega afirmava que me considerava um dos influenciadores da Segurança do Trabalho.

E qual o problema, professor, não gostou do e-mail?

Problema nenhum, é lógico que gostei dos elogios, mas fiquei encucado com aquela palavra, influenciador.

Por quê?

Pense bem, meu filho, ser influenciador implica que alguns colegas podem ter uma opinião sobre determinado assunto ou mesmo não terem opinião e por considerarem alguém como conhecedor do tema, acabarem seguindo o que ele está falando.

E isto é ruim?

Não e sim.

Como assim?

Não, porque eu acredito que a maioria das pessoas que produzem materiais na área de Segurança do Trabalho sempre irão tentar passar informações corretas. Por outro lado, pegando a minha história como referência, sei que ao longo dos anos já mudei de opinião diversas vezes ao perceber que determinado conceito não era exatamente o que eu estava pensando. E este é o problema.

Não entendi!

Um influenciador com certeza se esforça para falar o correto, mas vez por outra pode escapar e passar alguma informação incompleta ou até mesmo errada e de acordo com o alcance de cada influenciador o estrago será grande.

E o que eu posso fazer então, professor?

Toda vez que você estiver vendo um vídeo, ouvindo um áudio, lendo um texto de qualquer que seja a pessoa, ainda que tenha admiração por ela e acredite que ela domine determinado assunto, lembre-se sempre de questionar a informação, não aceite como verdade apenas porque foi dito por alguém em quem você confia.

Autor: Mário Sobral Júnior